Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INÊS MARTO

INÊS MARTO

Simão/Symone: "Gosto de cantar a solidão, ela gosta de mim, somos um par perfeito"

Fotografia: Miguel Prata

Simão Telles é também Symone de Lá Dragma. Já foi concorrente do programa The Voice, RTP.  Cantor. Intérprete. Transformista. Sonhador assumido. E, acima de tudo, uma força na luta pela igualdade. Nesta entrevista, abre-nos as portas ao seu mundo.

 

Inês Marto: Simão, comecemos por contar quem és.
Simão Telles: Olá querida Inês, olá a todos queridos leitores, o meu nome é Simão Telles, tenho 21 anos nasci no dia 27/06/1997 sou caranguejo, apaixonado, sensível amante de quem me é coração, das artes, dos poetas e de Portugal.

 

A tua profundidade é rara. Sentes que vens de outro tempo? Fala-me do teu mundo.
Sabes, há dias que penso que venho de outro tempo, de já há muitos anos atrás. E tenho dias que penso que venho do amanhã, do futuro, que estou a milhas de luz dos outros seres humanos. Para não me baralhar, e não baralhar os outros, prefiro dizer que nasci onde nasci, onde tinha de nascer, com a vontade de relembrar o passado para no futuro não ser esquecido.
O meu Mundo está e foi construído pelas feridas que a sociedade me foi impondo ao longo dos anos. As palavras machucam e doem, muitas vezes doem mais que um simples estalo. O meu mundo é a minha defesa, comecei por construí-lo no Cabaret (Bob Fosse / Liza Minnelli) aos 7/8 anos de idade e hoje acabo, já mais maduro, nas referências mais poéticas portuguesas.

 

A tua formação é de actor. Um dos teus sonhos é o Sunset Boulevard. Tens paixões inúmeras (Simone de Oliveira, Judy Garland, Dalida, etc). Há um padrão sobre o tipo de mulheres que te fascinam?
Sim, há. A mulher fatal. A mulher história, solidão, com força, garra, destruída mas amada.
A referência feminina, ao longo dos anos em que fui crescendo, deu-me gozo de ver. Quando falo em gozo, falo em prazer, falo em fascínio, o corpo da mulher é belo, o gesto singular da mulher é belo.
E depois lá está, cada referência tem o seu ponto de partida, a sua característica, mas todas elas, essas figuras que me atraem, têm algo em comum, todas fizeram a solidão a tristeza e a dor, arte!
O momento da minha vida em que eu acho que me apaixonei pela mulher foi quando ouvi o Somewhere Over the Rainbow, da Judy Garland, de um concerto que ela fez no fim de carreira, no Carnegie Hall. Foi aí que senti que aquilo era mais que uma canção, era mais que uma dor ou uma letra, era a arte. E acima de tudo era um pedido de ajuda, tão certo mas tão mal entendido.

 

37209115_1995821830451072_6888873963619876864_n.jp

 

Existem fronteiras claras entre o Simão e a Symone, ou é outro lado de ti? Como é que surgiu?
Penso que quando me fazem este tipo de pergunta que estão à espera de uma resposta oposta aquilo que costumo dizer. Mas não, somos iguais, um usa peruca, outro usa o cabelo à “Vera Lagoa”, é a única coisa que nos diferencia.
Sim, a Symone é a minha plataforma, é a minha voz, nunca em Simão eu faria metade do que a Symone faz, sou uma pessoa muito calma, pacata, tímida, medrosa. Se parecer ou vos der a dar entender o contrário isso é apenas a carapaça, chama-se protecção pessoal. Os meus amigos estão escolhidos a dedo, nos dez dedos da minha mão ainda ficam alguns livres, sou peculiar, e exigente para com quem me rodeia, gosto de pessoas.
Gosto de um abraço, de um beijo apertado! Não sou do snobismo do aperto de mão, não sou rainha, sou pessoa.
Se pudesse, seria mais Symone, infelizmente não me deixam.

 

 

A tua presença tem um poder extraordinário de disrupção. Quer sobre a homofobia, quer sobre o binarismo de género, quer sobre a ditadura da imagem. És uma inspiração e um exemplo para a sociedade. E a ti, quem te inspira e te dá forças?
Desde já, obrigado pelo rasgado elogio. Fico lisonjeado quando fico a saber que tenho pessoas que admiram o meu trabalho e que entendem tão bem a minha mensagem. Fico feliz em saber que alguma coisa eu já fiz. Mesmo tentando, vou conseguindo.
Tudo me inspira sabes, as pessoas inspiram-me, a vizinha do lado inspira-me, e não necessita de ter uma história pós-dramática em morte. Basta ela fumar e já ser “antiga” que isso me inspira. O riso e o choro das pessoas inspiram-me.
Os poetas, aí esses loucos libertinos, o Ary, a Natália, o Eugénio de Andrade ... os músicos, a Simone ... a minha e de todos, Simone (que até hoje penso que foi quem me deu ao mundo do espectáculo, o conhecer de coisas tão belas como é a música ligeira portuguesa, o cheiro da vida, e a amargura de viver).

 

Também tens um lado negro, que te dá outra densidade. Por um lado é destrutivo, por outro é uma mina enquanto arte. Queres falar sobre essa dualidade?
Tudo o que canto é “gritado”, chorado, interpretado, é dor! Eu canto para pedir ajuda, o meu lado negro são as minhas dores, os meus pesares, as minhas amarguras, que ao cantar as espanto, mas que quando me deito na cama, voltam, pois sem essa escuridão tão poética, eu, Simão ou Symone, nunca iria conseguir viver bem, nunca seria o artista que gosto de ser. Eu gosto de cantar a solidão, ela gosta de mim, somos um par perfeito. Que hei-de eu fazer?

 

Neste momento quais são os teus maiores objectivos? Há projectos novos em mãos?
Neste momento, estou a passar por uma fase da minha vida em que quero tratar da minha saúde e de mim, vou submeter-me a uma cirurgia. Como não tenho trabalho na área do espectáculo vou propôr-me a esta nova fase da minha vida, para mudar de hábitos e tentar ficar ou ser uma pessoa melhor e mais saudável.
Agora um maior objectivo? Sunset Boulevard, é um grande sonho meu poder interpretar o papel de Norma Desmond, na versão musical adaptada por Andrew Lloyd Webber. Tudo é perfeito - roteiro, letras, cenários, figurinos. (Uma curiosidade - Norma Desmond foi o papel de sonho da Simone De Oliveira, que ela nunca teve oportunidade de interpretar.).

Imagina que tinhas oportunidade de ser ouvido pelo mundo inteiro. Que mensagem gostavas de deixar?
Amar. Amor. Amar e amar e mais amar.
Era o que eu gostava que todos nós fizéssemos, amar o próximo, dizer não ao ódio, regularizar e manter a paz serena.
Mais uma vez amar, compreender. Nada é fácil, mas também só se torna impossível se assim o quisermos. Eu estou aqui. Nunca pensei estar. Quero mais? Quero! Vivo para isso, tento viver. Desistir? NUNCA!

 

Obrigado Inês pela maravilhosa e confortável amigável entrevista.
Tudo de bom para ti e para o teu futuro.
Muita sorte para as vendas do teu novo livro, que eu espero que seja, e será, um grande sucesso! ❤️
Do teu queridx Simão/Symone ❤️

 

Entrevista: Inês Marto
Fotografias: Pedro Magalhães e Miguel Prata

O poder do feminino: transformismo, um eco de alma


Há coisas em nós que não se conseguem explicar nem com dois dedos de conversa, nem com meia dúzia de páginas de texto. O efeito lunar que o poder do feminino tem em mim é uma delas. E o pináculo disso, para mim, está no transformismo, por ser uma ode à mulher.
Não me esqueço tão depressa da última noite. É virtualmente impossível ser amante do transformismo neste país e não cruzar amores com a Deborah Kristall (Fernando Santos), a figura máxima actual deste panorama. Sorte das sortes, uma porta leva à outra. Neste caso, o corredor de portas foi circular.
O fascínio levou-me à Gala Abraço 2016. O André E. Teodósio tinha-me levado a Valentim de Barros. Também levou o José Raposo, que foi júri na Gala. Um ano depois, estava a subir ao palco, na Gala Abraço 2017, por um texto sobre Valentim de Barros, pelo José Raposo. Direcção Artística? Fernando Santos.



Demasiada coincidência? Há mais. A Gala Abraço trouxe-me o Paulo Monteiro e o dezanove... foi uma questão de juntar as peças. A noite passada o dezanove fez com que voltasse ao Finalmente, onde tinha ido só uma vez, e desejado ser transparente para poder ficar lá a absorver tudo aquilo.
Abençoada entrevista, abençoado regresso. Como o mundo dá voltas... Como é que isto tudo aconteceu? É cíclico, o meu voltar a pesquisar coisas sobre este mundo, há pouca coisa, mas nunca se sabe se alguém deixou sair mais um pedacinho de magia a público.
Via uma das entrevistas mais recentes do Fernando Santos, quando me vieram intuitivamente à cabeça perguntas que um dia lhe faria, se pudesse. Escrevi-as, porque... bem, porque não se perde nada... estava longe de imaginar é que ia ganhar tanto.
Tive um rasgo qualquer de desfaçatez, mandei as perguntas ao Paulo Monteiro. A próxima coisa que sei é que estava à porta do Finalmente, de salto alto sobre rodas, e as perguntas iam ser feitas. O que eles não sabem, nem quase ninguém, é como tudo isto (passo o duplo absurdo) é como caminhar sobre nuvens.
Vem de há muito tempo, o amor ao transformismo. Nem sabia o que era transformismo. Tinha visto uma reportagem da "Gaiola das Loucas" de Filipe La Féria, na televisão. A Zazá do José Raposo havia-de vir a ser muito mais  do que imaginava. Explica-se essa parte da história pelo texto que leu o José Raposo no lançamento do meu livro Combustão, em Março de 2017 (sim, mais uma das portas do meu corredor circular de coincidências felizes):
 
 
A Inês de 14 anos não sabia o que era transformismo. A Inês de 14 anos viu, absorveu, amou. A Inês de 14 anos sabia estar ali uma das peças da sua verdade, que não sabia como agarrar. Cresci em Fátima. Não se falava "destas coisas", lá. Ainda hoje não se fala.
Não sabia que havia espectáculos dedicados à arte do feminino, sabia só que qualquer coisa, nesse exacerbar por um lado e nesse contraste por outro (a androginia é outro estímulo), chamava por mim.
Descobri pela televisão que havia, algures lá longe em Lisboa, um lugar chamado Finalmente onde havia espectáculos assim. Não imaginava sequer que se pudesse pagar e entrar. Tinha para mim a ideia de um lugar de secretismo inatingível. E ninguém a quem perguntar.
Cada vez que tinha a oportunidade de ir a Lisboa, de fugida, pedia para passar pelas zonas onde se dizia, muito poucas vezes e em surdina, onde elas (travestis/crossdressers) costumavam estar mais vezes. Olhava pelo vidro do carro, e queria ficar ali, na esperança que me aparecesse uma Zazá emplumada... A fluidez de género ainda era um mistério. Já a sentia, só não sabia que existia pela rua livremente e de modo quotidiano.
Cheguei a Lisboa para ficar, finalmente. Mudança das mudanças. Cruzei-me com amigos com esse mundo por casa. E eu sempre na concha. Sempre no medo, sempre no pano de fundo de onde vinha, do inatingível que isso era, do nem se fazer perguntas. Mas sempre com os olhos brilhantes a cada migalha de descoberta.
Fui aprendendo da história do transformismo enquanto espectáculo o pouco que encontrava sem referências nenhumas.
Não sei onde cheguei ao nome Deborah Kristall. Sei que se abriu mundo. Achava mais que óbvio, ainda assim, que não poderia lá chegar, ver por mim. Era assunto para tirar da cabeça. O difícil era conseguir.
E de repente a Gala Abraço, um "Tenho que ir!" mais forte que tudo. Ainda não tinha entrado no S. Luiz quando vi, pela primeira vez aquilo era verdade. Faltou-me o ar como falta a uma criança a dar de caras com uma princesa da Disney.
Finda a noite sabia que tinha encontrado uma das peças que me faltavam há tanto tempo. E tinha a certeza e a vontade assoberbante de fazer parte desse mundo. Só não sabia como.
É aí que se fecha pelo menos esta parte do círculo: Valentim de Barros, José Raposo, a semente lançada.
No ano seguinte a concretização. E com a concretização uma porta aberta para o mundo às cores. Com a porta aberta, o dezanove. E com o dezanove, a maior coroa de glória: afinal podia lá chegar, não só lá cheguei como fui recebida e reconhecida, simplesmente por me querer dar ao que afinal sempre foi parte conjunta da minha raiz.
Não tenho melhor forma de finalizar do que deixar que o momento fale por si. Que seja um círculo de muitos. Que eu faça parte deste mundo, é uma honra e um eco de alma.

- Entrou neste nosso universo, não é?
- Espero que sim!