Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INÊS MARTO

INÊS MARTO

(UNBREAK)ABLE: a wheelchair performance


 


 

 

"Quis despir-me. Na verdade, queria poder despir mais que o corpo. Depois das roupas queria tirar a pele. Depois da pele queria arrancar a carne. Depois da carne desfazer os ossos entre os dedos e os dentes. E desse nada que restasse, ver nos meus despojos até onde se demarca a minha diferença. Isto sou eu. Não sei o que isso quer dizer. Não sei a forma certa de me olhares, não há forma certa de me olhares, não há forma certa de coisa nenhuma, era por isso que não sabia como fazer nada disto. Partiria tudo do pressuposto do que vês quando me olhas. E a verdade absoluta de mim, nem eu a tenho.



Uma pessoa, por acaso numa cadeira, ou uma cadeira com uma pessoa? Isto sou eu. Há 22 anos que ansiava pela minha própria libertação. Descobri a arte como espectro das minhas prisões. O alimentar e o alimento circular dos meus fantasmas. Tempos a fio procurei um grito de fénix. Mais tarde percebi ser cíclica. Caminhar lado a lado com a morte, respirar cara a cara com o frágil, transpirar pele a pele com o vácuo, é isso que me renova, é isso que me mantém. Será um dos meus poucos vícios, injectar sal nas feridas.



Quis mostrar esse tanto mais. Para lá de posto em causa o diferente e o igual, o que fica por ver. Não sabia como. O meu corpo, por si só, grita teses demasiado alto para que o resto sobressaia.



Então, quis ir mais longe ainda: fiz da nudez ferramenta, das cicatrizes néones para um olhar aberto, das deformidades um púlpito por onde te trago a olhar-me desde mim. E despojei o caminho expectável do resultado artístico. Ao que em mim há de poeta, retirei a poesia. Deito-me por terra, o nu do corpo espelha apenas a erupção que há-de vir. Faço da sujeição à minha própria infimidade desmascarada, despudorada de artifícios, o veículo para a minha própria libertação.



Era isso que me faltava – não eram poemas, não era a demonstração óbvia do físico per si, não era o simbolismo artístico de uma identidade fluida de género, ou o fio da navalha da morte – isso é o que já sou todos os dias. Faltava-me a crueza de me deixar ao precipício de mim, puxar da raiz de todos os traumas e deixar que a realidade tomasse o seu curso de explosão. Por uma (e de uma) vez, sem estéticas, ser-me veículo e permitir-me a chorar todas as lágrimas. Incorro no risco do sufocante demasiado, ciente disso como na vida, acompanhar-me-ão os que souberem ficar, do maior resto não rezará a minha história. Hoje enfrento os meus fantasmas, cultivá-los-ei alimentados da minha pele, suor, lágrimas, e tudo o mais que este deliberado incurso no precipício proporcionar, para que jamais me deixem. É deles que voo. A minha vida é isso – vertigem."



 



(Texto produzido para contextualização do processo criativo da performance (Unbreak)able: - Estudos de Performance - Licenciatura Estudos Artísticos, Artes do Espectáculo, FLUL 2017.)

Cógito sobre Bullying ou (Con)Sequências da Vida | 24 de Março de 2015

 



Não sou motivational speaker nem quero ser, não fosse dar-se o caso de me tornar numa espécie de Gustavo Santos da santa terrinha (passo a redundância), mas sobre isto apetece-me falar.
Na minha altura (sou muito antiga) não se chamava bullying, ou pelo menos eu não tinha ouvido falar nisso, era mesmo só a idade da parvalheira.
Naturalmente, já várias vezes me pediram para falar publicamente sobre esta questão da paralisia cerebral, mas este assunto nunca se pôs. Bem, há capítulos que de vez em quando se têm que fechar, e este já faz uns aninhos que me anda aos trambolhões.
Miúda da voz grossa que me tentava fazer a vida num inferno (para o propósito desta dissertação vou-te chamar assim, até porque continuas a não dever interessar nem ao menino Jesus), primeiro que tudo, lamento, mas só conseguiste o teu plano maléfico provisoriamente. Não digo, deixando os meandros de mim para quem me conhece, que não tenha mudado nada, mas tem alguma graça a forma como as coisas se desenrolaram.
Miúda da voz grossa, abençoada distância, nunca mais te pus a vista em cima, nem sei nada de ti. Mas tenho que admitir que me diverte imaginar-te, ainda com a tua voz grossa (desculpa, isto se calhar também é bullying) a tentar descobrir ainda quem tu és, agora que (só se calhar) deixaste de andar atrás de toda a gente em rebanho.
Tu e as outras, e os outros, também. Cada vez que me lembro que me espetavam os bicos dos lápis na borracha, em jeito de protesto silencioso... santa inocência.
Ah, miúda da voz grossa, outra coisa gira era quando me chamavas puta... das duas uma, ou 'tadita não sabias o que isso era, ou então deixa-me que te diga que tens uns standards muito baixos...
Para a próxima que quiseres gozar avisa, entretanto aprendi umas graçolas giras, com esta coisa do teatro, é capaz de ficar mais criativo que isso, hein?
Isto para dizer o quê? Ah... está-se bem, cá por Lisboa, até quase que me esqueço que exististe. Mas depois lembro-me que às vezes é preciso partir muito carvão para se encontrar diamantes. Acho que te devo um obrigada por isso, miúda da voz grossa, fizeste-me elevar a fasquia.
E um desculpa, que provavelmente ter-me como alvo por tantos anos não foi fácil, deve ser por isso que ficaste para trás.
(Considera-nos quites.)

 

 
Texto recuperado de 24 de Março de 2015, já que, numa onda de balanços e reavaliações de mim mesma, voltei a dar de caras com ele e o achei sinceramente bem mandado demais para o deixar ali.

"Pessoas, pessoas por este mundo além…" | André Mendonça

 

Fonte: https://jessiaconstantino.atavist.com/were-all-equal
 
 
Nota: Este é um texto de reflexão e introspecção paradespertar consciência.

 

Pessoas, pessoas por este mundo além… Alguém faz ideiade como se pode conhecer pessoas com cabeça, com conteúdo, hoje em dia? Ondeandam as pessoas boas?
Num mundo em que as apps são oprincipal sítio onde as pessoas se conhecem, vivemos num mundo de valores todostrocados, o acto de conhecer os amigos dos amigos parece que desapareceu...
 
Só muito de vez em quando se conhece alguém decente, mas oque costuma acontecer normalmente é conversa de aparências, e na realidade e navida real a pessoa é outra… 
 
Falo com imenso conhecimento de causa! Já experimentei etestei imensas apps de encontros (Tinder,Badoo, Grindr, Hornet, Surge, Scruff, Happn, Bumble, Manhunt, GayRomeo, Gaydar,Moovz, Feeld, OkCupid, BoyAhoy e Bro) e tenho informação suficiente para fazerum mestrado/doutouramento nesta matéria!
 
Em mais de um ano de uso só fiz um VERDADEIRO amigo por lá,por mero acaso. Vivemos num mundo onde tenho de falar com pessoasnão-portuguesas para ter RESPEITO por quem sou, pela minha identidade de género(transfemenino) e condição médica (paralisia cerebral). Passa-se de um"ser atraente" para uma pessoa marginalizada...

Mais de 99% do pessoal nas apps está mais voltado para #agora #sexo #brincarcomsentimentos #usaredeitarfora #masc4masc #discretos #bear4bear #gym4gym #gympartner #nofemmes #nodivas #nocouples #nodisabled #foradomeio #heterocurioso #etc..." é para mostrar várias formas inocentes de descriminação camuflada em "preferências"
 
É horrível esse preconceito todo vindo da própriacomunidade!
 
O ano de 2018 começa da melhor forma. Estou na mais recenteedição da revista Vogue Portugal a dar visibilidade com o meutestemunho enquanto pessoa Trans (transgénero, queer, não binário, génerofluido, andrógino, transfeminino). Fazer a diferença. Um mundo melhor.Liberdade para ser se nós próprios. Sem filtros. [Assista ao vídeo clicando aqui]
 
O mundo precisa de mais pessoas assim!
 
Estou num artigo sobre pessoas Trans. Custa muito lutar,ultrapassar barreiras, dar o primeiro passo expor-se em prol dos outros e verque o esforço e dedicação são em vão...
 
A esmagadora maioria das pessoas que já conheci não é capazde ter respeito pela pessoa que sou, sem ter algum problema com o ser Pessoa:ser gay assumido ou ser transgénero ou ter paralisia… muitos consideram que, aocomeçar a afirmar-me, que deixei de ser eu, de ter as minhas qualidades, osmeus valores, os meus ideais, os meus interesses.
 
 
 
Qual a probabilidade de descobrir alguém, para além do meuatual parceiro, que: 
 
* respeite os meus ideais, crenças e convicções;
 
* respeite a minha orientação sexual
 
* respeite a minha identidade de género, a minha dualidade ea minha feminidade;
 
* respeite o facto de eu ter deficiência e as implicaçõesque isso traz;
 
* respeite o eu considerar-me poliamoroso assim como o meuparceiro e não há nada de errado com isso, não, não somos aliens;
 
* respeite e compreenda os traumas que eu tenho devidoao meu passado, pois não o escolhi
 
* respeite a minha situação socio-económica
 
O resultado desta “multiplicação de probabilidades” de umponto de vista matemático, dá um número fantástico, perto de zero. (risos)
 
 
 
É grave isto estar-se a tornar numa comunidade assim, e éainda mais triste só conseguir aceitação de pessoas estrangeiras. 
 
Para além de não poder contar com a minha família de sangue,perdi 99% dos amigos ao sair do armário enquanto pessoa T, fogem de mim por tera coragem de ser eu mesmo, ou então atacam-me. Rejeitam-me por tudo e pornada, por ter o cabelo comprido, por ser feminino, por ter PC (ParalisiaCerebral), etc. 
 
Respeito e Aceitação = ZERO!
André Mendonça
 
 
Mal vêem uma foto minha deixam de me falar, não há quemconsiga ter a capacidade e dar-se à oportunidade de me conhecer enquantopessoa, enquanto humano. Porque aí sim vão conhecer a verdadeira pessoa que soue surpreender-se.
 
Uma mensagem a todas as pessoas que estiverem a ler isto etem algum tipo de complexo com alguém como eu: “Sou Pessoa, Sou Humano, SouVálido, tenho Orgulho em mim. Sou bem resolvido. Sabem qual é o vosso problema?Falam demais. Não se respeitam nem se aceitam a si próprios, são machistase tudofóbicos, por favor parem de atacar os outros.”
 
Já tive "ex-amigos” (questiono-me se alguma vez comopude ser amigo de pessoas assim), a dizerem que não saem comigo por eu estar ausar um vestido. A comunidade não consegue (no geral) respeitar quem é"diferente", quem foge à regra, quem desafia os padrões do quequer que seja, ser visto como activista também não é olhado com bonsolhos, nem há espaço pra isso. A essência das pessoas deveria sempre prevalecere sobrepor-se a tudo o resto...mas o mundo já não é assim!!!
 
 
 
Custa-me não ter vida social (complicado quer pela falta deamigos/interação social e por os ambientes que existem para esse efeito serembem transfóbicos, normativos e machistas) não ter praticamenteamigos, fazer tudo aquilo que alguém da minha idade faz... Não me sinto a vivere aproveitar de forma consciente e correcta os meus vintes anos.. muitas dasvezes sinto-me com 30 e poucos anos quando só tenho ainda 21 e muito pelafrente para viver...
 
Há imensa falta de empatia, entreajuda, união. É duro, muitoduro ter de ultrapassar diversas tantas barreiras e desafios para poderconcretizar algo básico, que muitos até podem não dar valor. Mas para mim podesignificar o universo. 
 
Tem de haver muito mais consciência da complexidade e pesoque se atribui aos problemas, eu tenho 99 problemas e a paralisia cerebral é sóum deles.
 
André Mendonça. Vogue . Janeiro 2018.
 
 
Sabem o que é ter o dia a dia numa luta constante?  Hádias em que desejava ter um pouco de paz e uma lufada de ar fresco e ondearranjar forças para levantar o queixo, para lutar sorridente sem ter sempre umnovo problema a surgir atrás de outro e irem-se acumulando…uma pequena grandebola de neve…
Saiamtambém da cave do preconceito, do conservadorismo, dos estereótipos, e fechem aporta a sete chaves com as fobias lá dentro!
 
Estamos em 2018, espalhem AMOR, por favor.
 
 
 
 
 
André Mendonça
 
Texto editado e sujeito a algumas alterações para efeitos de publicação.

 

Era uma vez

Ali estava eu. Um minúsculo acumular de energia, dizem. Sempre a querer reparar em tudo e todos os que entrassem na sala onde eu estava deitada numa encubadora, com uma bandolete e provavelmente um par de botinhas cor-de-rosa tricotadas pela minha avó.
Aconteceu tudo devido à minha pressa de nascer, ao que parece. A minha mãe conta que tinha feito mousse de chocolate, nessa noite para o jantar, quando de repente rebentaram as águas. Às vezes pergunto-me se não era o meu dentinho doce já a manifestar-se. Ou isso ou a minha ansiedade já nasceu comigo.
A história aconteceu assim: a mãe tinha 38 anos, já uma gravidez de risco em 1995, era agora ou nunca. Eles não achavam, de maneira nenhuma, que eu já estava pronta para dizer "cucu". A mãe foi para o hospital. O pai dava aulas muito longe de casa. A mãe diz que destruiu uma almofada com os dentes à conta das dores. A próxima coisa de que se lembra é da minha cabeça já ser visível. Na 26ª semana de gestação. Eles dizem que a nossa pele (somos gémeos, sim) era tão frágil que se conseguia ver através das pontas dos dedos. O meu irmão, por outro lado, não sendo nada ansioso (há coisas que nunca mudam) teve que ser puxado a ferros, no que imagino que tenha parecido e doído como uma cena do The Shinning.
Não há assim tantos detalhes dessa altura. Suponho que a tendência e os conselhos tenham sido para esperar o pior. O coração e os pulmões ainda nem estavam completamente formados. Tudo o que se podia ver era basicamente tubos e monitores a apitar. E quatro mãos pequeninas, dois pares de olhinhos curiosos e determinados a descobrir o mundo à volta deles.
Não há fotografias da nossa primeira semana. E para ser sincera convosco, até para mim, as primeiras que nos tiraram são demasiado chocantes para publicar. A mãe só nos pode pegar ao colo no segundo dia. O pai diz que tinha medo de nos partir ao meio, durante muito tempo. Nem sequer havia fraldas para o nosso tamanho ridiculamente pequeno, nem sequer as dos prematuros. A mãe conta que simplesmente nos encostavam uma bolinha de algodão e costumava durar. Um detalhe também interessante: a nossa banheira era uma daquelas tigelas em inox como as das cantinas das escolas, tudo o resto era grande demais (se calhar isto não era um mau mote para um filme do Tim Burton). Até chegaram a dizer por graça que cabíamos numa caixa de fósforos. Pelo que sei, demos pesadelos a muita gente, e de certeza muitas noites sem dormir aos nossos pais.
Passámos um mês no hospital, com paragens cardio-respiratórias frequentes. Uma dessas deve ter causado a minha paralisia cerebral. Mas ainda estava muito longe de ser diagnosticada. Posso acrescentar que os anos seguintes também foram um entra e sai de inúmeros hospitais, já que tinha um sistema imunitário de papel. Tornei-me familiarizada com máscaras de oxigénio até antes de conseguir dizer a minha primeira palavra (que foi cedo como o caraças - 9 meses - e provavelmente foi "não", que ironicamente é uma das que mais me custa a dizer nos dias de hoje).
Assim que chegávamos a casa de outra estadia no hospital, voltávamos a ficar doentes. E se um ficasse bom, passava ao outro antes que alguém conseguisse ter tempo de respirar.
A mãe é educadora de infância. Na altura, já trabalhava há bastante tempo num centro de reabilitação física. Há tempo suficiente para conseguir perceber quando é que algo de físico estava mal. E a verdade é que eu nunca mais começava a conseguir rastejar, ou até segurar a cabeça com facilidade, nem conseguia mexer bem os braços e pernas.
Os médicos diziam que era apenas desenvolvimento mais lento por ter sido prematura e que eventualmente crescia e isso ia passar. Mas tendo em conta que eu quase não tinha reflexos nenhuns sequer, mais cedo ou mais tarde decidiram parar de dizer à mãe que ela estava paranóica com isto. Diagnosticaram-me paralisia cerebral, diplegia espástica. O nosso mundo desmoronou. Aquele amendoim pequenino, que nem sequer era suposto ter sobrevivido, tinha acabado de receber uma declaração de guerra, para lutar literalmente por cada passo da sua vida para o resto dos dias.
Mas, pelo que me recordo, recebi tudo sem grandes reclamações, sendo que nem sequer tinha ideia do que era viver sem isso, de qualquer forma (embora daí a aceitar realmente as coisas vá uma grande diferença, mas a aceitação de uma deficiência crónica é outro capítulo dos grandes, basicamente ainda aberto, sobre o qual hei-de escrever um dia).
A próxima coisa que sei  é que já fazia fisioterapia. Mais ou menos aos 6 meses. E não parei durante muitos anos. Tive a sorte de isto afectar apenas a minha parte motora. Mas, ainda que seja difícil de acreditar para a grande maioria das pessoas que me conhecem, durante os primeiros anos da minha existência eu era uma miúda que se babava e não conseguia fazer coisas que envolvessem motricidade fina, nem sequer segurar um lápis "correctamente". (A minha experiência mais arriscada de sempre chama-se rizotomia dorsal selectiva e mudou definitivamente a minha vida nesse sentido, aconteceu com 6 anos de idade, no British Columbia Children's Hospital, em Vancouver, no Canadá).
Não me lembro de muito, desses primeiros anos, obviamente. Mas de uma coisa tenho a certeza: era uma vez um minúsculo acumular de energia que já nasceu teimosa que chegue para desafiar os limites impostos. E aqui continua ela.