Volátil

Dói-me o hoje, indefinido
Feito espuma volátil,
Trilho de um casco partido.

Dói-me a incerteza crua,
Corpo de sereia nua,
Sobre rochedos sem fim,
Infinitude quebrada,
Numa fogueira ateada
Algures dentro de mim.

Dói-me a inércia do tempo,
Dentro de um peito apagado,
Como esqueleto submerso
Dum navio naufragado.

Dói-me o que não sei que seja,
Sem ter corpo nem medida,
Janela sem parapeito,
Num precipício que é feito
Dos suspiros de uma vida.

 

Anúncios

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s